A Coluna da Coluna

— Artigo 23 —

Artigo 23 – Parkinson & Coluna

Seu Francisco, um fictício bancário aposentado de 65 anos, marca uma consulta com um Quiropraxista para tratar de uma dor lombar crônica acompanhada de rigidez muscular. Durante o exame físico, após constatar que há diminuição de movimento, o clínico detecta alterações posturais como aumento de cifose torácica, anteriorização do pescoço com menor rotação, e ombros pendendo inferiormente.

O paciente caminha rigidamente a passos pequenos e com os cotovelos e joelhos ligeiramente dobrados, sem balançar os braços, e arrastando as pernas. Às vezes fica paralisado. Outras vezes, começa a caminhar cada vez mais rápido e não consegue parar. Cai com facilidade. O Quiropraxista postula que talvez seja por causa da mudança do centro de gravidade causada pela projeção anterior da postura. Mas sente algo no ar. Mais importante ainda, ele nota que o paciente, além da rigidez muscular, exibe também tremores e diminuição de movimento (acinésia e bradicinésia) – uma tríade clássica. O diagnóstico está fechado.

Seu Francisco provavelmente sofre da mesma doença de figuras históricas como Harry Truman, Mao-Tse-Tung, Francisco Franco e Adolf Hitler: mal de Parkinson.

Paulo José, ator veterano da Globo, anunciou ter a doença em 1996. E atuou normalmente até 2017.

Voltando nossas atenções ao fictício seu Francisco, a conduta do Quiropraxista deve ser indicação a um neurologista. Este, antes de confirmar tal suspeita, irá eliminar a possibilidade de afecções com sintomas similares, como depressão, tremor de natureza benigna, Alzheimer, hidrocefalia e hemiparesia.

Mas o que sabemos sobre a doença de Parkinson, além do nome do homem que a descobriu?

  • A afecção é progressiva, crônica e relativamente comum na terceira idade, um processo patológico envolvendo nervos aferentes e a substância nigra do gânglio basal do cérebro – região responsável pela produção de um hormônio chamado dopamina. Para o paciente começar a exibir os sinais de Parkinson, tem que haver uma diminuição de 80% de dopamina com 80% – 85% de neurônios nigrais afetados.

  • Pode ser conseqüencia de aterosclerose, ou de complicações decorrentes de encefalite, mas a vasta maioria dos casos é idiopática – ninguém sabe direito a causa.

  • O tratamento medicamentoso é à base de levodopa para repor os níveis de dopamina.

  • Não existe teste laboratorial que comprove Parkinson. O diagnóstico depende somente da observação clínica durante o exame e a anamnese.

  • Não há cura.

  • Parkinson não escolhe raça nem sexo — só idade: de 40 a 60 anos.

  • 0.1% da população desenvolve esta doença no Reino Unido – 0.2% acima dos 50 anos. Afeta de 1 a 1,5 milhões de americanos, e há 50.000 novos casos diagnosticados por ano, de acordo com a American Parkinson Disease Association.

  • Os casos vêm aumentando a cada ano. Os especialistas atribuem isto ao gradual envelhecimento da população mundial. Mais idosos implica em mais casos de Parkinson.

    Entretanto, a doença já é observada em pessoas de 30 a 40 anos. E isto é alarmante!

  • Os primeiros sintomas são moderados, transitórios e unilaterais — às vezes apenas uma mudança mais pequena e compacta na caligrafia.

  • Além dos sinais descritos acima, há em algumas pessoas dificuldade de falar (disfasia), de mastigar e engolir (disfalgia), de se virar na cama, e até de cruzar e descruzar as pernas.

  • O tremor, presente em 75 % dos pacientes, ocorre em repouso, aumenta com estresse, e desaparece durante o sono.

  • A face parkinsoniana caracteriza-se pela falta de expressão; a boca, semiaberta; os olhos, arregalados e penetrantes.

  • Alguns pacientes exibem distúrbios mentais, raciocínio lento, e falta de memória. Demência ocorre em 15% a 20% dos casos.

  • Podem também ocorrer constipação, dificuldade ocular e urinária, e diminuição do piscar dos olhos.

Quiropraxia proporciona alívio das dores lombares, cervicais e torácicas associadas à este mal. No estágio inicial, pode até relaxar a musculatura. Mas é só. O clínico deve saber reconhecer Parkinson sem demora. Diagnosticar a doença ainda no começo é imperativo e essencial para o paciente.

About the Author:

Iury Borges Rocha formou-se Quiropraxista em 1996 pelo Palmer College of Chiropractic, em Davenport, Iowa - EUA. É também bacharel em Ciências pelo Palmer e tem Licenciatura em Comunicações pelo Scott Community College, em Bettendorf, Iowa, EUA. Atende em Ilhéus-BA e região. Atual Diretor Acadêmico e palestrante internacional da FLAQ e do IDQUIRO, já exerceu o cargo de Tesoureiro da ABQ e foi o primeiro Coordenador do programa de Quiropraxia da Feevale. Escreveu cerca de 300 artigos num período de cinco anos sobre diversos assuntos para o hoje extinto jornal Diário de Ilhéus — sempre tendo a coluna vertebral como pano de fundo.

Próximos Cursos

Não há eventos se aproximando neste momento.

Contatos

SGAS 910, Conj. B, Bloco A, Sala 13, Ed. Mix Park Sul, Asa Sul, Brasília, DF, 70390-100

Phone: +55 (73) 3231-5928

Web: www.idquiro.com