A Coluna da Coluna

— Artigo 14 —

Artigo 14 – Síndrome do Chicote

By |2020-08-19T16:55:13+00:0019/08/2020|Categories: Afecções da Coluna, Coluna da Coluna, Coluna no dia-a-dia, Dor, Quiropraxia|

Imagine você dirigindo sossegado na rua e parar numa sinaleira, mal percebendo que um carro que, em alta velocidade, se aproxima por trás. O choque é inevitável.

Alguns fatores a considerar:

  • Que a desaceleração entre uma velocidade inicial de 60 km/h para zero num centésimo de segundo é altíssima;

  • Que Força igual a massa vezes a aceleração negativa do veículo (F= m x a);

  • Que momento é igual a massa vezes velocidade (m = m x v);

  • E que, considerando a massa de um veículo de 1,000 quilos, e a alta desaceleração do mesmo, a força que atinge o leitor pode chegar a 750,000 N (para se ter uma idéia, um simples ajuste de Quiropraxia não chega a 100 N).

O momento arremessa o corpo para a frente na hora do impacto — antes do pescoço. Quando volta, o pescoço é arremessado para a frente, numa velocidade 3 vezes maior do que a do carro que causou a colisão. E tudo isso no espaço de 100 msegs!

Este mecanismo de hiper-extensão e hiper-flexão que o pescoço sofre durante um acidente de carro assemelha-se a uma chicotada. Causa distensão ligamentosa, muscular, podendo provocar também fratura compressiva ou avulsiva das vértebras, ou até danos à medula espinhal.  E é por isso chamada de SÍNDROME DO CHICOTE.

Do inglês WHIPLASH SYNDROME (WHIP = chicote e LASH = a ação deste). Uma tradução mais adequada seria algo como “Síndrome da Chicotada”.

Aquela “dorzinha” cervical relacionada ao acidente quase nunca é priorizada. A pessoa pode até sentir o pescoço dolorido, mas tem outras preocupações no calor do momento como a sua própria vida, a de seus entes queridos, ou a franquia do seguro do carro. A fatura, porém, é cobrada anos depois. E com juros.

O problema é que, após ter se submetido à tamanha força, a biomecânica e centro de gravidade do pescoço mudam — pra pior. As microrruturas causadas pelas distensões tipo grau II geralmente não cicatrizam paralelamente com as fibras musculares e ligamentosas, ocorrendo então enfraquecimento destes músculos e ligamentos. O tecido de cicatrização é mais fraco, menos elástico e bem mais sensível do que o tecido normal.  A perda da curva fisiológica do pescoço (lordose) vai colocar pressão extra nos discos. E, algum tempo depois, o paciente pode começar a sentir dores severas no pescoço e membros superiores sem ter a mínima noção de que o responsável foi aquele pequeno acidente de anos antes.

Estudos revelam que 86 a 98% das pessoas envolvidas num acidente automobilístico desenvolverão algum tipo de dor crônica no pescoço, de origem miofascial e articular. Estima-se que 30 a 40% dos casos de Síndrome do Chicote desenvolverão cefaléia pós-traumática. O paciente já pode até ter desenvolvido alguns outros sintomas como disfalgias, fraqueza, distúrbios auditórios ou visuais, insônia, irritabilidade, mudanças de temperamento, dificuldade de concentração, e intolerância à dor. Sem saber por quê.

  • O tratamento na fase aguda consiste de repouso, gelo, e fisioterapia tradicional por 03 a 07 dias. Com Quiropraxia, os ajustes vertebrais têm que ser sutis, específicos e conforme tolerância do paciente. Às vezes é necessário o uso do colar cervical.

  • Na fase sub-aguda, que dura de 01 a 03 semanas, recomenda-se iniciar exercícios ativos e passivos, continuar com gelo e fisioterapia, e intensificar os ajustamentos.

  • A fase crônica vai durar de 02 a 08 semanas, e incorporará ainda mais exercícios e massoterapia com trigger points. Os ajustamentos vertebrais neste período serão menos intensivos. O objetivo é alcançar 60 a 80% de progresso.

Dependendo do Quiropraxista, existe também uma fase de manutenção, cujo objetivo é preservar o progresso obtido, manter a qualidade de vida e evitar reincidências. Isso pode durar alguns meses e até anos, conforme a severidade do caso.

Em suma, restabelecer o bem-estar do paciente da melhor maneira possível.

About the Author:

Iury Borges Rocha formou-se Quiropraxista em 1996 pelo Palmer College of Chiropractic, em Davenport, Iowa - EUA. É também bacharel em Ciências pelo Palmer e tem Licenciatura em Comunicações pelo Scott Community College, em Bettendorf, Iowa, EUA. Atende em Ilhéus-BA e região. Atual Diretor Acadêmico e palestrante internacional da FLAQ e do IDQUIRO, já exerceu o cargo de Tesoureiro da ABQ e foi o primeiro Coordenador do programa de Quiropraxia da Feevale. Escreveu cerca de 300 artigos num período de cinco anos sobre diversos assuntos para o hoje extinto jornal Diário de Ilhéus — sempre tendo a coluna vertebral como pano de fundo.

Próximos Cursos

Não há eventos se aproximando neste momento.

Contatos

SGAS 910, Conj. B, Bloco A, Sala 13, Ed. Mix Park Sul, Asa Sul, Brasília, DF, 70390-100

Phone: +55 (73) 3231-5928

Web: www.idquiro.com