A Coluna da Coluna

— Artigo 10 —

Artigo 10 – Quando o Ombro Congela

By |2020-07-24T17:53:09+00:0024/07/2020|Categories: Afecções da Extremidades, Coluna da Coluna, Dor, Reabilitação|

O ombro é formado por três articulações sinoviais (a glenoumeral, a acrômioclavicular e a esternoclavicular) e por uma articulação fisiológica (a escapulotorácica). De todas estas articulações, a glenoumeral é de longe a mais móvel. Sua cápsula, uma espécie de “saco” que envolve o conjunto articular, é frouxa e fina. Por esta, e também pelo seu formato, a articulação glenoumeral é a menos estável do ombro. E por ter maior instabilidade, é propensa a ter mais problemas.

A articulação glenoumeral (como indica o nome) envolve a cabeça do úmero (o osso do braço) e a fossa glenóide da omoplata. Por algum motivo, a cápsula articular da glenóide, em um dado momento, perde a elasticidade e se torna espessa e friável. Instauram-se contraturas dos tecidos moles da região. Aí, a articulação “congela” e o ombro perde gradualmente seus movimentos ativos e passivos — em todas as direções (principalmente abdução). A dor resultante beira o insuportável. Este “ombro congelado” é conhecido nos anais da medicina pelo singelo nome de Capsulite Adesiva.

As causas são largamente desconhecidas. Mas suspeita-se que seja uma ocorrência secundária por alguma lesão, traumatismo ou cirurgia no ombro. Existem também vários fatores que elevam o risco de desenvolver tal afecção, como disfunções da tireóide, diabetes, doenças cardíacas e pulmonares, ansiedade e depressão. Outros problemas na região podem exercer uma influência indireta, como sinovite inflamatória do ombro, síndrome do impingemento subacromial, bursite pós-traumática, artrite acromioclavicular, tenossinovite, radiculopatias e degenerações da coluna cervical. Também fraturas e patologias do sistema nervoso central ou periférico. Mas a verdade é que ninguém sabe exatamente o que causa a Capsulite Adesiva do Ombro.

A dor é considerada intensa, mesmo em repouso. A ponto de atrapalhar o sono. Movimento piora, e muito. O ato de vestir uma camisa, pentear os cabelos e pegar um livro na estante ou uma panela no armário torna-se um suplício.

A afecção se manifesta geralmente em um dos ombros, mas não é incomum aparecer nos dois. Às vezes, simultaneamente. Acontece com mais frequencia nas pessoas do sexo feminino e entre 40 a 70 anos de idade. Atinge de 3 a 5% da população.

A Capsulite Adesiva evolui em três fases.

  • Na primeira, o principal sintoma é dor forte que piora ao mover-se.

  • Na segunda, ocorre diminuição progressiva dos movimentos. A rigidez torna-se mais incômoda do que a dor. Esta fase é conhecida como “fase de congelamento”.

  • Na terceira, o ombro, aos poucos, retorna ao normal. Curiosamente, esta “fase de descongelamento” pode ocorrer de maneira espontânea. Isto significa, que o ombro congelado, da mesma maneira que apareceu, pode também desaparecer.

Então, para quê se preocupar?

O problema é que este processo pode durar de seis meses a dois anos com muito sofrimento. E pode não ser completamente reversível (especialmente se houver atrofia do manguito rotador, em especial o músculo supraespinhoso).

É mais vantagem fazer um tratamento conservador para tentar se recuperar mais rapidamente. A fisioterapia clássica, com aplicações de gelo e calor e uso de ultrassom e laser para romper a fibrose, é fundamental para restaurar a função e o movimento perdido. A ideia é provocar o relaxamento da cápsula articular, dos músculos e dos tendões.  As pessoas levam geralmente de três a quatro meses para se recuperarem.

Quiropraxia, ou qualquer tipo de manipulação articular, tem efeito relativamente limitado. Mas este efeito pode ser maximizado se o tratamento for feito em parceria com fisioterapia. Tem que haver uma certa disciplina da parte do paciente, pois o sucesso do tratamento envolve muitos exercícios que podem perfeitamente ser feitos em casa. A alopatia, com injeções de cortisona ou de analgésicos, pode ser útil. Cirurgia também, mas somente em última instância.

About the Author:

Iury Borges Rocha formou-se Quiropraxista em 1996 pelo Palmer College of Chiropractic, em Davenport, Iowa - EUA. É também bacharel em Ciências pelo Palmer e tem Licenciatura em Comunicações pelo Scott Community College, em Bettendorf, Iowa, EUA. Atende em Ilhéus-BA e região. Atual Diretor Acadêmico e palestrante internacional da FLAQ e do IDQUIRO, já exerceu o cargo de Tesoureiro da ABQ e foi o primeiro Coordenador do programa de Quiropraxia da Feevale. Escreveu cerca de 300 artigos num período de cinco anos sobre diversos assuntos para o hoje extinto jornal Diário de Ilhéus — sempre tendo a coluna vertebral como pano de fundo.

Próximos Cursos

Não há eventos se aproximando neste momento.

Contatos

SGAS 910, Conj. B, Bloco A, Sala 13, Ed. Mix Park Sul, Asa Sul, Brasília, DF, 70390-100

Phone: +55 (73) 3231-5928

Web: www.idquiro.com