A Coluna da Coluna

— Artigo 16 —

Artigo 16 – Lombalgia salva homem de morrer em acidente aéreo

By |2020-09-03T21:05:44+00:0003/09/2020|Categories: Coluna da Coluna, Curiosidades, Dor|

Dor lombar incomoda muita gente. Dor lombar com ciática incomoda muito mais. Só quem já teve faz idéia de como é. Muitas mulheres relatam preferir parir a sentirem tais dores. Portanto, não é mole, não.

Desde 1995, convencionou-se dizer que 80% da população já teve algum tipo de experiência com dores de coluna. Mesmo tendo passado mais de um milhão de anos depois do Homo erectus ter conseguido a proeza de andar todo empinado, o ser humano ainda tenta se adaptar à sua condição de bípede. As cinco vértebras lombares são de cinco a seis vezes maiores do que as cervicais justamente para agüentar a maior parte do peso corporal. Mas ainda assim, nós, Homo sapiens sapiens, padecemos.

João Lidanio Cavalcante definitivamente não fugiu desta regra. Nos idos de 2010, exercia o cargo de secretário de Educação de Maués, uma cidade localizada a 276 quilômetros de Manaus. E, como 80% de sua espécie, sofria de dores lombares — causadas, neste caso, por uma hérnia de disco.

O que o senhor Cavalcante não imaginava, caros leitores, é que esta dor SALVARIA SUA VIDA no dia 13 de maio de 2010.

O secretário havia ido a Manaus duas semanas antes a fim de resolver algumas questões de caráter administrativo. E “estava escalado na comitiva que levaria a secretária de Educação do Estado, Cínthia Régia Gomes do Livramento, para a apresentação de um painel escolar em Maués” (UOL notícias, São Paulo). “Desde segunda-feira, estava combinado. Fui convidado pela secretaria estadual e já tinha programado de voltar para Maués com o grupo de governo na quinta-feira”, relata.

Cavalcante amanheceu com dores lombares alucinantes justamente naquela quinta, 13 de maio de 2010. E foram piorando durante o dia. Em desespero, e com muito custo, conseguiu uma consulta às 16 horas com um massagista e acupunturista. Achou que dava tempo de pegar o avião. Mas o acaso interferiu. “Normalmente, as decolagens são à ‘tardinha’, no começo da noite. (…) Mas fui avisado que a partida tinha sido adiantada para (…) 15h. Então comuniquei, mesmo em cima da hora, que não poderia ir. Estava com muita dor”, lembra. A aeronave partiu do aeroclube de Manaus sem ele. Bendita dores nas costas!

Logo após iniciar o voo, o avião caiu e explodiu! Ninguém sobreviveu!! O universo definitivamente conspirava a favor de João Lidanio Cavalcante naquele fatídico dia. A data 13 de maio, Abolição da Escravatura, terá sempre um significado especial na vida deste cidadão — o dia em que ele renasceu. “Quando recebi a notícia, minhas pernas começaram a tremer. Senti uma palpitação no coração. Foi muito estranho”, afirma. Como bom político, completou: “ao mesmo tempo que estava aliviado, sabendo que poderia estar morto, fiquei extremamente triste em saber do falecimento de nossa secretária e das outras pessoas”.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou no dia seguinte que a documentação da aeronave e do piloto (com 25 anos de experiência) estavam em dia. A companhia de taxi aéreo apressou-se em dizer que “a prática de terceirização de aeronaves entre empresas de táxi aéreo é permitida pelas normas de aviação civil”, mas reiterou que assumia as “responsabilidades profissionais pelo acidente”. Testemunhas afirmaram que viram gente saindo engatinhando do avião antes da explosão. A Delegacia Especializada de Ordem Pública Social do Amazonas abriu um inquérito policial para tirar este assunto a limpo. As causas do acidente foram, claro, alvo de investigação da aeronáutica — como de praxe.

O piloto era dono de uma biografia singular. Miguel Vaspeano Lepeco nasceu a bordo de um avião da VASP em 1957 — daí o nome. Se orgulhava de ter sido a primeira criança do mundo a nascer num avião em pleno ar. A companhia presenteou-lhe passagens aéreas vitalícias até falir em 2008. Escapou ileso de cinco acidentes no ar. Salvou vidas de seus passageiros e até neste acidente fatídico conseguiu desviar de uma escola e de um conjunto de casas.

É mesmo um paradoxo se dar conta de que a mesma dor de coluna que causou João Lidanio Cavalcante tanto sofrimento foi precisamente a responsável por ele ter sobrevivido.

Acaso? Sorte? Predestinação? Mesmo com a dor, o susto e o luto, João Lidanio Cavalcante deve ter ficado sorrindo à toa. Resta saber se sua lombalgia melhorou depois destes estranhos eventos.     

About the Author:

Iury Borges Rocha formou-se Quiropraxista em 1996 pelo Palmer College of Chiropractic, em Davenport, Iowa - EUA. É também bacharel em Ciências pelo Palmer e tem Licenciatura em Comunicações pelo Scott Community College, em Bettendorf, Iowa, EUA. Atende em Ilhéus-BA e região. Atual Diretor Acadêmico e palestrante internacional da FLAQ e do IDQUIRO, já exerceu o cargo de Tesoureiro da ABQ e foi o primeiro Coordenador do programa de Quiropraxia da Feevale. Escreveu cerca de 300 artigos num período de cinco anos sobre diversos assuntos para o hoje extinto jornal Diário de Ilhéus — sempre tendo a coluna vertebral como pano de fundo.

Próximos Cursos

Não há eventos se aproximando neste momento.

Contatos

SGAS 910, Conj. B, Bloco A, Sala 13, Ed. Mix Park Sul, Asa Sul, Brasília, DF, 70390-100

Phone: +55 (73) 3231-5928

Web: www.idquiro.com