A Coluna da Coluna

— Artigo 20 —

Artigo 20 – Forrest Gump, O Contador de Histórias

By |2020-09-29T15:37:21+00:0029/09/2020|Categories: Coluna da Coluna, Escoliose, Filmes, Pop Culture|

Forrest Gump (1994) foi inspirado num livro homônimo escrito por Winston Groom. Apesar de ter algumas diferenças em relação ao livro, o filme foi um estrondoso sucesso. Eis o enredo: era uma vez um menino meio raquítico e de baixa inteligência que ama Deus, a mãe e a mulher amada. Sua progenitora, interpretada por Sally Fields, acredita nele, mesmo com todas as suas limitações físicas e intelectuais. E ensina-o bons valores, como honestidade, respeito e fidelidade.

O menino Forrest tem um Q.I. abaixo de 75. Com uma coluna “torta como um político” e “como um ponto de interrogação”, o médico (fumando feito uma caipora), inexplicavelmente, sapeca-lhe um aparelho para as pernas. Nos anos 50 ainda usava-se este tipo de coisa. Só que o aparelho era para ser usado por quem tinha pernas tortas ou por quem sofria de pólio. Seria um tratamento revolucionário para escoliose?

Seja lá o que for, parece não existir correlação nenhuma na literatura médica. O próprio filme não oferece justificativa. Seria falta de informação da Alabama rural de 1950 sobre o colete de Milwaukee, que já existia? Seria pela racionalização do médico (se a pessoa tiver que caminhar reto, a coluna ficaria reta)? Ou somente uma desculpa esfarrapada do roteirista para o personagem usar tal aparelho? Tais incongruências, no entanto, não diminuem a mágica do filme.

O Forrest Gump adulto não tem opinião formada sobre nada. É uma folha em branco. Mesmo assim, durante um período de 40 anos, acaba participando, inadvertidamente, de alguns dos fatos mais marcantes da história recente dos Estados Unidos:

  • Ensinou Elvis Presley a dançar;

  • Solidarizou-se com uma jovem negra em pleno ápice do movimento anti-segregacionista do Sul dos Estados Unidos;

  • Lutou na Guerra do Vietnã;

  • Participou de protestos também contra a Guerra do Vietnã;

  • Participou de campeonato de pingue-pongue na China de Mao;

  • Apertou a mão de três presidentes (John F. Kennedy, Lindon Johnson e Richard Nixon);

  • Foi o estopim do processo de impeachment de Nixon;

  • Inspirou John Lennon a escrever a música Imagine;

  • Tudo isso sem ter a menor ideia do que estava fazendo.

O que Forrest Gump perdia em inteligência, ganhava em retitude e idoneidade. Era dono de uma pureza de caráter excepcional. E de uma sorte maior ainda. Enriqueceu na pesca do camarão honrando o sonho de um amigo morto em seus braços no Vietnã (claro que o fato do seu barco ter sido o único poupado após uma violenta tempestade também ajudou bastante). Seu tenente, líder do batalhão, interpretado por Gary Sinise, mesmo tendo perdido as pernas na guerra, tornou-se seu braço direito. Fez o protagonista ainda mais rico ao comprar ações “numa empresa de frutas” (Apple Computadores). Gump tocou a vida. Sem perder a ternura, sem perder a inocência, sem perder a noção das coisas que lhe eram mais importantes na vida: Deus, a mãe e a mulher amada.

Forrest Gump dá a impressão de ser um libelo da direita. Eis aí um cara que faz tudo certinho e se dá bem. O amor de sua vida, Jenny (Robin Wright) trilha o caminho oposto. Envereda-se nas drogas, participa de protestos, desgasta-se em relações degradantes, e experimenta tudo que a contracultura dos Estados Unidos dos anos 60-70 tem a oferecer. Paga um preço terrível por tudo isso: contrai uma doença “nova” (AIDS) e morre. Castiga-se então a esquerda?

Mas, pensando bem, Gump nem faz noção do que seja direita e esquerda. O filme é meio que uma ode ao conformismo — basta diligentemente acreditar em Deus, amar a mãe e a mulher amada que tudo vai dar certo. E a vida do nosso protagonista vai passando tal qual uma pena ao vento (recurso, por sinal, usado para ilustrar exatamente esta faceta do personagem – tanto no início, quanto no final do filme). No fundo mesmo, trata-se de uma ode ao povo americano.

Forrest Gump consagrou-se no Oscar ® de 95: ganhou Melhor Filme, Diretor, Roteiro Adaptado, Efeitos Visuais, Edição e Ator para Tom Hanks, que se tornou o segundo ator na história da Academia a ganhar dois Oscars ® por dois anos consecutivos (somente Spencer Tracy tinha alcançado tamanha façanha — em 38 e 39).

O livro é mais cáustico, mais engraçado, menos piegas — e bem mais politicamente incorreto. Nele, Gump foi também astronauta, jogador de xadrez e lutador mascarado de luta livre.

Para Roger Ebert, saudoso crítico do jornal americano Chicago Sun-Times, não há “ninguém parecido com Forrest Gump num filme antes e, a propósito, eu nunca vi um filme da mesma cepa de Forrest Gump. Qualquer tentativa de descrevê-lo corre o risco de fazer com que o filme seja mais convencional do que já é, mas deixe-me tentar. É uma comédia, eu acho. Ou talvez um drama. Ou um sonho”…

About the Author:

Iury Borges Rocha formou-se Quiropraxista em 1996 pelo Palmer College of Chiropractic, em Davenport, Iowa - EUA. É também bacharel em Ciências pelo Palmer e tem Licenciatura em Comunicações pelo Scott Community College, em Bettendorf, Iowa, EUA. Atende em Ilhéus-BA e região. Atual Diretor Acadêmico e palestrante internacional da FLAQ e do IDQUIRO, já exerceu o cargo de Tesoureiro da ABQ e foi o primeiro Coordenador do programa de Quiropraxia da Feevale. Escreveu cerca de 300 artigos num período de cinco anos sobre diversos assuntos para o hoje extinto jornal Diário de Ilhéus — sempre tendo a coluna vertebral como pano de fundo.

Próximos Cursos

Não há eventos se aproximando neste momento.

Contatos

SGAS 910, Conj. B, Bloco A, Sala 13, Ed. Mix Park Sul, Asa Sul, Brasília, DF, 70390-100

Phone: +55 (73) 3231-5928

Web: www.idquiro.com