A Coluna da Coluna

— Artigo 2 —

Artigo 2 – Ergonomia e o trabalhador

By |2020-07-03T02:24:39+00:0024/04/2018|Categories: Coluna da Coluna, Coluna no Trabalho, Ergonomia|

Conforme entrevista publicada na revista LUTA MÉDICA (ano II, nº 06, janeiro/março de 2008), Carlos Valadares, médico do trabalho e membro da Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO), faz um alerta contra o aumento de casos de Ler/dort, que “atingem inúmeras categorias como os metalúrgicos da Ford e a numerosa categoria dos bancários, mas são descritos casos em todas as categorias”.

A ergonomia utiliza os conhecimentos de diferentes ciências para analisar a interação entre o trabalhador, seu ambiente de trabalho, e os elementos que o afetam negativamente. É primordial definir as exigências do trabalho que possam exceder os limites do corpo humano. Os elementos negativos e as exigências excessivas são chamados de sobrecarga do trabalho. Para reduzi-las ou eliminá-las, são realizadas modificações e adaptações em métodos e locais de trabalho, ferramentas, e até mesmo pequenas modificações no produto a fim de adaptar o trabalho às pessoas.

O objetivo seria prover referências e difundir conhecimentos para uma abordagem prática e objetiva na tarefa de identificar tais deficiências; enfatizar que cada produto, bem como projeto, processo ou local de trabalho, seja concebido dentro de conceitos ergonômicos. Como consequência, reduz-se custos futuros com correções e adaptações — sem falar com o custo de tratar o trabalhador, que quase nunca irá corresponder com seu trabalho às expectativas de um projeto mal elaborado ergonomicamente. O próprio necessita ser conscientizado disso. Sintomas como sobrecarga visual e mental, desconforto, dores e fadiga torna-o cansado, desatento e propenso à cometer erros e ficar sujeito à risco de acidentes e incidente.

Isto não afeta somente o trabalhador, mas eventualmente toda a organização. Seu trabalho terá que ser refeito com frequência. Haverá maior risco de acidentes e incidentes, problemas de produção, baixa qualidade, e menor eficiência e produtividade. Mas não é somente isso…

Há também outras perdas difíceis de computar:

  • As perdas econômicas para os trabalhadores afetados e suas famílias;

  • A perda da própria qualidade de vida;

  • A perda operacional com relação à eficiência, conhecimento e experiência do trabalhador;

  • As perdas sociais devido ao aumento dos dependentes na Previdência Social.

Todos perdem quando o projeto de trabalho é mal elaborado: trabalhadores, suas famílias, a sociedade, e toda a organização.

Nem os próprios médicos estão imunes. Dr. Carlos Valadares afirma que “as longas jornadas de trabalho; as pressões que atribuíram ao servidor de saúde; a responsabilidade pela carência dos serviços; o corre-corre para outros plantões e atividades; as lombalgias; o estresse; a hipertensão; as patologias psicossomáticas; o suicídio no trabalho ou por causa dele; o uso de diversas drogas, lícitas e ilícitas; as diversas doenças mentais; as condições adversas de trabalho às vezes sem condições mínimas; os baixos salários, ainda fazendo do ato médico um ato heroico e cada vez mais criticado e com menos reconhecimento” contribuem para o adoecimento da classe.

De acordo com Fabrício Avancini Silva – M.Sc., diretor técnico da ERGOAPPLIED:

“Os especialistas devem ser envolvidos no processo corretivo para verificação das modificações com o objetivo de prevenir que as mesmas não comprometam outras condições da capacidade humana na interação com a nova condição de trabalho.”

Trabalhar bem e saudável não é luxo – é vital.

About the Author:

Iury Borges Rocha formou-se Quiropraxista em 1996 pelo Palmer College of Chiropractic, em Davenport, Iowa - EUA. É também bacharel em Ciências pelo Palmer e tem Licenciatura em Comunicações pelo Scott Community College, em Bettendorf, Iowa, EUA. Atende em Ilhéus-BA e região. Atual Diretor Acadêmico e palestrante internacional da FLAQ e do IDQUIRO, já exerceu o cargo de Tesoureiro da ABQ e foi o primeiro Coordenador do programa de Quiropraxia da Feevale. Escreveu cerca de 300 artigos num período de cinco anos sobre diversos assuntos para o hoje extinto jornal Diário de Ilhéus — sempre tendo a coluna vertebral como pano de fundo.

Próximos Cursos

Não há eventos se aproximando neste momento.

Contatos

SGAS 910, Conj. B, Bloco A, Sala 13, Ed. Mix Park Sul, Asa Sul, Brasília, DF, 70390-100

Phone: +55 (73) 3231-5928

Web: www.idquiro.com