A Coluna da Coluna

— Artigo 12 —

Artigo 12 – Amor Sem Fim

By |2020-08-17T18:35:01+00:0007/08/2020|Categories: Coluna da Coluna|

No comecinho do milênio, uma senhora viúva, na faixa de seus 85 anos, esteve num consultório de Quiropraxia para tratar de uma dor na coluna. No exame físico, o clínico notou uma tatuagem na parte superior de um dos seios com as palavras Amor Sem Fim.

A tatuagem era meio tosca. Parecia ter sido feita por um amador. Isto aguçou a curiosidade do clínico. “Tem que haver uma história interessante por trás de uma tatuagem deste tipo nesta região em particular e ainda por cima numa senhora desta idade”, pensou. Mas, ao indagar sobre a tatuagem, recebeu de volta um sorriso enigmático e uma resposta evasiva. Sua filha, que a acompanhava, limitou-se apenas a comentar que o tal do Amor Sem Fim teve, sim, um fim. A senhorinha havia enviuvado pouco tempo depois de suas bodas de ouro. Mas o falecido marido não parecia ter sido o recipiente da frase da tatuagem.

De qualquer modo, a conversa parou por aí. O clínico achou prudente não insistir.

Ao cabo de algumas sessões, a tal senhora melhorou e descontinuou o tratamento. Na clínica não se ouviu falar mais dela. Mas o clínico jamais a esqueceu. E sua curiosidade e imaginação, ao longo dos anos, criou uma elaborada, mas completamente fictícia história para explicar como aquele seio veio a ser tatuado.

Sua primeira conclusão foi que uma tatuagem como esta só poderia ter sido feita nos arroubos da juventude, num momento intempestivo. Na década de 40, a senhorinha deveria ter uns 20 anos de idade. Ilhéus era uma potência do cacau nesta época e já possuía um movimentado porto. Portanto, a segunda conclusão, naturalmente, foi que o autor da tatuagem, bem como o receptáculo da frase tivesse sido muito provavelmente um marinheiro. A terceira conclusão foi que, como o amor sem fim teve fim, o romance não deve ter ido adiante.

(O leitor mais atento deve ter percebido neste enredo uma semelhança com uma antiga canção de Chico Buarque: Minha História (1970) — adaptada, por sua vez, de outra canção Gesùbambino do cantor e compositor italiano Lucio Dalla.):

Ele vinha sem muita conversa, sem muito explicar
Eu só sei que falava e cheirava e gostava de mar
Sei que tinha tatuagem no braço e dourado no dente
E minha mãe se entregou a esse homem perdidamente… (…)

Ele assim como veio partiu não se sabe pra onde
E deixou minha mãe com o olhar cada dia mais longe
Esperando, parada, pregada na pedra do porto
Com seu único velho vestido, cada dia mais curto… (…)

O romance (completamente fictício, diga-se) ficou mais ou menos assim: a moça, de família humilde, apaixonou-se loucamente pelo tal marinheiro. Foi aquele amor louco, de não sair da cama, de cometer loucuras (como, por exemplo, fazer uma tatuagem no seio em plenos anos 40). O marinheiro zarpou prometendo voltar. Mas não voltou.

A moça desesperou-se. Quando seu coração partido parecia não ter mais forças, notou que sua regra não chegava. Ia ao porto todos os dias, perguntava sobre o navio e sobre o marinheiro. Ninguém sabia lhe responder.

Sua barriga logo iria despontar e revelar sua condição. Como seu pai, ignorante e pobre, mas honrado homem da roça, receberia tal notícia? Seria expulsa de casa? Para onde iria? Uma mulher de família, desonrada daquele jeito, teria, naquela época, um destino certo: o meretrício. Horrorizava-se só de pensar.

Enquanto chorava sentada num banco da praça da prefeitura, enxergou uma mão oferecendo-lhe um lenço. Era o filho do vizinho, contínuo numa firma de cacau, que sempre a olhava de soslaio. Sabia que o rapaz tinha um fraco por ela. “Por que choras?”, quis saber o mancebo. Naquele momento de fragilidade, ela acabou revelando o segredo que mantinha nos últimos três meses. Contou-lhe tudo. Não omitiu nenhum detalhe, não importando a expressão de sofrimento estampada no rosto do rapaz.

Ele fitou-a em silêncio por uma eternidade. E disse que tinha a solução. “Vamos nos casar”, afirmou. Ela balançou a cabeça negativamente. Em prantos, explicou que não seria justo com ele, que não o amava, que nunca, nunca imporia tamanho fardo na sua vida. Ele simplesmente respondeu: “Você não me ama agora, mas, quem sabe, pode aprender a me amar. Mesmo que não venha a me amar nunca, ainda assim quero passar a minha vida contigo. E crio esse filho como se fosse meu. Ninguém precisa saber”.

Pois é. Os dois se casaram. Viveram juntos por mais de 50 anos. Tiveram outros filhos. Ela realmente aprendeu a amá-lo. A tatuagem, quem diria, acabou no fim sendo para ele.

Foi assim. (Pelo menos na imaginação jorgeamadiana deste clínico que não tinha nada melhor para fazer.)

About the Author:

Iury Borges Rocha formou-se Quiropraxista em 1996 pelo Palmer College of Chiropractic, em Davenport, Iowa - EUA. É também bacharel em Ciências pelo Palmer e tem Licenciatura em Comunicações pelo Scott Community College, em Bettendorf, Iowa, EUA. Atende em Ilhéus-BA e região. Atual Diretor Acadêmico e palestrante internacional da FLAQ e do IDQUIRO, já exerceu o cargo de Tesoureiro da ABQ e foi o primeiro Coordenador do programa de Quiropraxia da Feevale. Escreveu cerca de 300 artigos num período de cinco anos sobre diversos assuntos para o hoje extinto jornal Diário de Ilhéus — sempre tendo a coluna vertebral como pano de fundo.

Próximos Cursos

Não há eventos se aproximando neste momento.

Contatos

SGAS 910, Conj. B, Bloco A, Sala 13, Ed. Mix Park Sul, Asa Sul, Brasília, DF, 70390-100

Phone: +55 (73) 3231-5928

Web: www.idquiro.com